Evidência da Gestão de Qualidade das Equipas de Emergência Interna numa Unidade Hospitalar do Norte

Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
Introdução: A implementação de Equipas de Emergência Médica Intra-hospitalar (EEMI), capazes de identificar de forma adequada e precoce a pessoa em situação crítica, com acesso a cuidados médicos 24 horas por dia, de forma não aleatória, surge para poder diminuir a mortalidade e a morbilidade do cliente hospitalizado. Objetivo: Pretendemos, com este estudo, verificar de que forma determinados fatores e procedimentos influenciam a qualidade da intervenção da EEMI, perante o cliente em deterioração aguda ou paragem cardiorrespiratória, numa unidade hospitalar do norte do país. E assim identificar pontos de melhoria em prol da segurança do cliente e da gestão da qualidade da atuação da EEMI. Metodologia: Trata-se de um estudo retrospetivo, com base nos dados obtidos em registo documental no modelo Utstein, referente à ativação da EEMI, bem como dados resultantes de entrevistas a colaboradores que desempenham funções diretamente com a EEMI. Optámos por um estudo quantitativo retrospetivo das variáveis em estudo, complementado com um estudo descritivo tipo I, exploratório que se inscreve numa abordagem qualitativa, no sentido de analisar e descrever a perceção dos colaboradores. Resultados: A idade média da amostra é de 75,46 anos e constatamos que 13,3% dos clientes apresentavam-se saudáveis até ao evento. Relativamente ao desempenho, a maioria das PCR (80%) foi testemunhada pelos colaboradores de saúde. Verificámos que a maioria das vítimas em PCR (57,9%) não se encontrava com monitorização, aquando da chegada da EEMI. Em relação ao resultado da atuação da EEMI, 64,9% das situações resultam em óbitos e em 35,1% das situações verificámos o restabelecimento da circulação espontânea. Conclusão: Perante a análise dos dados e confrontados com a circular da DGS e a norma interna da unidade em estudo, identificámos que a evidência da gestão da qualidade da EEMI não é de todo da sua inteira responsabilidade. Ambos os estudos revelam que efetivamente as variáveis em estudo influenciam a evidência da qualidade da atuação da EEMI. Implicações: A Joint Commission International (2014) institui metas nacionais de segurança do cliente, e recomenda como medida de qualidade e de segurança, o reconhecimento das alterações do estado de saúde do cliente por todos os profissionais de saúde, devidamente treinados. Visando, assim, reduzir o risco de os clientes permanecerem hospitalizados, de não recuperarem totalmente, ou de morrerem (NICE, 2020).
Introduction: The implementation of In-hospital Medical Emergency Teams (MET), capable of adequately and early identification of the person in critical condition, with access to medical care 24 hours per day, in non-random way, appears in order to reduce mortality and morbidity of hospitalized patient. Aim: With this study, we aim to verify how certain factors and procedures influence the quality of MET’s intervention, before the patient in acute deterioration or cardio-respiratory arrest, in a hospital unit in the North of the country. And by doing so, identify improvement points in favor of patient’s security and the quality management of the MET. Methodology: This is a retrospective study, based on gathered data in documentary records in Utstein model, referred to the MET’s activation, as well as data resulted from interviews with employees that perform functions directly with MET. We chose a retrospective quantitative study of the variables in study, complemented with a descriptive type 1 exploratory study that is part of a qualitative approach, in order to analyze and describe the perception of employees. Results: The average age of the sample is 75.46 years and we found out that 13,3% of the patients were healthy up to the event. Regarding the performance, the majority of PCRs (80%) were witnessed by health workers. We found that the majority of the victims in PCR (57,9%) were not being monitored when MET arrived. Regarding the result of MET’s performance, 64,9% of the situations result in deaths and in 35,1% of the situations we verified the restoration of spontaneous circulations. Conclusion: Facing the data analysis and compared with the DGS circular and the internal standard of the unit under study, we identified that the evidence of MET quality management is not entirely its responsibility. Both studies reveal that, effectively, the variables in study influence result of the quality of MET’s performance. Implications: Joint Commission International (2014) established national targets for patient’s safety and recommends as safety and quality measure, the recognition of the changes in the patient’s health status by all properly trained health professionals. Thus, aiming to reduce the risk of patients remaining hospitalized, not fully recovering, or dying (NICE, 2020). Creativeness: The MET’s implementations adds responsibility in organization’s management as well as employees. The perspective of this study is combined with the possibility of contributing to the innovation and to the change in the care provision area, in emergencies that presupposes the adoption of quality improvement programs.
Descrição
Este trabalho foi expressamente elaborado como dissertação original para efeito de obtenção do grau de Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde, sendo apresentado na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.
Palavras-chave
Qualidade em saúde , Equipa de Emergência Médica Intra-hospitalar
Citação