Resistência a antiparasitários em helmintes gastrointestinais de pequenos ruminantes na região Norte de Portugal

Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
Os nematodes gastrointestinais de pequenos ruminantes sujeitos a sistemas de produção extensivos ou intensivos, são de elevada importância, dado que podem vão afetar a saúde, bemestar, produtividade e reprodução destes animais em todo mundo. Os programas de desparasitação devem ser corretamente elaborados de forma a interromper os ciclos de vida dos parasitas. Porém, o tratamento e a profilaxia da infeção por vermes gastrointestinais têm-se praticamente baseado no uso de anti-helmínticos, muitas vezes sem qualquer indicação prévia da existência do parasita. Por esse motivo, e devido à diversidade genética, os parasitas têm evoluído para lá das medidas de controlo, observando-se um aumento da resistência aos antihelmínticos utilizados. O presente estudo teve como principal objetivo a recolha e análise de amostras fecais de pequenos ruminantes e identificação dos principais nematodes gastrointestinais, no Laboratório de Parasitologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), de forma a verificar a existência de resistência a anti-helmínticos em pequenos ruminantes no Norte de Portugal. De setembro de 2020 a fevereiro de 2021 foram recolhidas um total de 87 amostras fecais provenientes de pequenos ruminantes de três diferentes explorações de montanha na serra do Marão (exploração A) e na serra da Aboboreira (explorações B e C). Foi observada uma prevalência de infeção por ovos do tipo tricostrongilídeo de 90,8%, por ovos de Nematodirus de 41,5% e por ovos de Strongyloides de 15,4%. Após a comparação das proporções de positividade verificou-se que a espécie estava correlacionada (p = 0,020) com a presença de ovos de Nematodirus, verificando-se uma prevalência mais elevada nos caprinos do que nos ovinos. Observou-se também uma prevalência significativamente (p = 0,004) mais elevada de ovos de Nematodirus na raça Bravia quando comparada com a raça cruzada e uma prevalência significativamente mais elevada (p = 0,006) de ovos de Strongyloides na raça cruzada. Nas restantes variáveis sexo, idade, condição corporal e positividade geral não se verificaram diferenças estatisticamente significativas. Relativamente à análise de sensibilidade do anti-helmíntico, observou-se a presença da falta de eficácia do fenbendazol, na exploração B. A percentagem dos géneros Trichostrongylus e Teladorsagia era elevada mesmo após a aplicação do anti-helmíntico (66,7% e 23,8%, respetivamente). Os resultados obtidos neste estudo demonstram a importância do controlo parasitário integrado que deve incluir programas de gestão parasitária com medidas específicas, de maneira a introduzir práticas mais corretas nas explorações de pequenos ruminantes, de forma a reduzir o uso indiscriminado de anti-helmínticos, e assim a pressão de adaptação dos parasitas, que leva ao aumento de resistências.
Gastrointestinal nematodes of small ruminants from extensive or intensive production systems, are of high importance as they will affect the health, well-being, productivity, and reproduction of these animals worldwide. Deworming programs must be correctly designed to interrupt the parasites' life cycles. However, the treatment and prophylaxis of infection by gastrointestinal worms has been based almost exclusively on the use of anthelmintics, often without any previous indication of the existence of the parasite. For this reason, and due to genetic diversity, parasites have evolved beyond control measures, with an increase in resistance to the anthelmintics used. The main objective of the present study was the collection and analysis of faecal samples from small ruminants and identification of the main gastrointestinal nematodes, in the Parasitology Laboratory of the University of Trás-os-Montes and Alto Douro (UTAD), to verify the existence of resistance to anthelmintics in small ruminants in Northern Portugal. From September 2020 to February 2021, a total of 87 faecal samples were collected from small ruminants from three different mountain farms Serra do Marão (farm A) and Serra da Aboboreira (farms B and C). The prevalence of infection was 90.8%, by trichostrongylide-like eggs, 41.5% by Nematodirus eggs and 15.4% by Strongyloides eggs. After comparison of the positivity proportions, it was found that the animal species was correlated (p = 0.020) with the presence of Nematodirus eggs, with a higher prevalence in goats than in sheep. There was also a significantly (p = 0.004) higher prevalence of Nematodirus eggs in the Bravia breed compared to the cross breed and a significantly higher prevalence (p = 0.006) of Strongyloides eggs in the cross breed. In the remaining variables sex, age, body condition and general positivity there were no statistically significant differences. Regarding the analysis of anthelmintic sensitivity, the presence of lack of efficacy of fenbendazol was observed on farm B. The percentage of the genera Trichostrongylus and Teladorsagia was high even after the application of the anthelmintic (66,3% and 23,8%, respectively). The results obtained in this study demonstrate the importance of integrated parasite control, which should include parasite management programs with specific measures, in order to introduce more correct practices in small ruminants’ farms, reducing the indiscriminate use of anthelmintics, and thus the adaptation pressure of parasites, which lead to increased resistance.
Descrição
Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
Palavras-chave
parasitas gastrointestinais , pequenos ruminantes
Citação