Estudo citogenético e avaliação dos efeitos da cisplatina em duas linhas celulares de cancro de bexiga

Data
2013
Título da revista
ISSN da revista
Título do Volume
Editora
Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
A cisplatina é um dos agentes quimioterapêuticos mais eficazes no tratamento de cancro de ovários, cabeça, pescoço, bexiga, pulmão e colorrectal. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da cisplatina em duas linhas celulares tumorais de bexiga, avaliando os danos do DNA e a quantificação morfométrica das linhas celulares. As células foram expostas à cisplatina (2,5 μg/ml) durante vários períodos de tempo (1h, 6h, 12h, 24h, 48h e 72h) e foi analisado o dano no DNA pela técnica dos cometas e análise citogenética. Para alguns dos tempos (24h, 48h e 72h), após a remoção do fármaco, foi analisada a capacidade de recuperação das células pelo ensaio do cometa. Após a incubação das células com cisplatina verificou-se, pelo ensaio do cometa, uma diminuição, em geral, da cauda dos cometas relativamente aos controlos, exceto na linha celular T24 nas 48h e na HT1376 às 72h. As células que estiveram em cultura após a remoção da cisplatina, apresentaram um aumento na cauda dos cometas e respetivo aumento dos danos do DNA. Este aumento deve-se aos mecanismos de reparação do DNA, que remove as ligações cruzadas e permite assim a deteção dos danos pelo ensaio do cometa. Apenas no grupo de recuperação das 48h para a linha celular T24 isto não foi observado. Na análise citogenética das linhas após o tratamento com cisplatina observou-se um aumento de anomalias cromossómicas, como metafases pulverizadas e double minutes, e a presença de rearranjos complexos impossibilitando na grande maioria das vezes a sua identificação. Observou-se um aumento da área dos núcleos das células expostas à cisplatina, bem como um ligeiro aumento da área ocupada pelas AgNOR significativo de uma desregulação do genoma. Estes resultados sugerem que a cisplatina é genotóxica para as células, induzindo ligações cruzadas e provocando uma instabilidade cromossómica.
Cisplatin is one of the most effective chemotherapeutic agents in the treatment of ovarian, head and neck, bladder, lung and colorectal cancer. The aim of this study was to evaluate the effect of cisplatin in two bladder cancer cell lines, evaluating DNA damage and proliferative activity of the cell lines. The cells were exposed to cisplatin (2,5 μg/ml) for various times (1h, 6h, 12h, 24h, 48h and 72h). For some times (24h, 48h and 72h), it was also tested the ability of the recovery of cells after the drug removal by the comet assay. After incubation of the cells with cisplatin was verified by comet assay, a decrease, in general, of the comet tail relative to controls, except in the T24 cell line at 48h and HT1376 at 72h. Cells that have been cultured following removal of cisplatin showed an increase in comet tail and the respective increase in DNA damage. This increase is due to the mechanisms of DNA repair, which removes the crosslinks and thus enables the detection of damage by the comet assay. Only in the recovery group of 48h in T24cell line was not observed. In cytogenetic analysis lines after treatment with cisplatin was observed an increase of chromosomal abnormalities such as pulverized metaphases and double minutes, and the presence of complex rearrangements impossible in most cases to be identified. We observed an increase in the area of the nuclei of cells exposed to cisplatin, as well as a slight increase in the area occupied by AgNOR due to a genome desregulation. These results suggest that cisplatin is genotoxic to cells, inducing crosslinking and causing a chromosomal instability.
Descrição
Dissertação de Mestrado em Biotecnologia para as Ciências da Saúde
Palavras-chave
Cancro , Bexiga , Cisplatina , Citogenética , Ensaio cometa , AgNOR
Citação