Avaliação dos diversos tipos de aquecimento sobre performance em atletas de powerlifting paralimpico

Data
2022-11-04
Título da revista
ISSN da revista
Título do Volume
Editora
Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
O Powerlifting Paralímpico é uma modalidade caracterizada pelo uso expressivo da capacidade física de força, tendo o competidor a oportunidade três tentativas em cada evento para levantar uma carga máxima em uma única repetição. Por outro lado, práticas de aquecimento têm sido usadas para preparar o atleta para treinamento e/ou competição em diversas modalidades no intuito de induzir alterações psicológicas, neuromusculares e de temperatura corporal como um efeito benéfico no desempenho. Neste sentido o 1º estudo teve como objetivo analisar os efeitos diferentes tipos de aquecimento sobre performance da força relacionada às variáveis mecânicas estáticas e dinâmicas de atletas de Powerlifting Paralímpico de nível nacional, e teve como amostra 12 atletas do sexo masculino competidores de Powerlifting Paralímpico classificados em nível nacional. Foram obtidos dados relativos à 1Repetição Máxima (1RM), Força Isométrica Máxima (FIM), Taxa de Desenvolvimento de Força (TDF), Índice de Fadiga (IF), Tempo até a Força Máxima (Tempo), Velocidade Máxima (Vmáx) e temperatura timpânica em relação aos diferentes tipos de aquecimento. Os dados obtidos sugerem que o tipo de aquecimento não propicia diferenças significativas nos indicadores de temperatura e força, sejam dinâmicas ou estáticas. Em relação ao 2º estudo pretendeu-se avaliar o efeito de diferentes tipos de aquecimento sobre a força e variáveis termográficas de atletas de Powerlifting Paralímpico. A amostra foi constituída de 15 atletas PP do sexo masculino competidores de Powerlifting Paralímpico classificados em nível nacional. Foram obtidos dados relativos à indicadores dinâmicos de força: Velocidade de Propulsão Média (MPV) e potência, e indicadores estáticos de força: impulso e variabilidade, Pico de torque, 1RM e temperatura termográfica em relação aos diferentes tipos de aquecimento. Os achados indicam que o tipo de aquecimento não parece interferir no desempenho de atletas de Powerlifting Paralímpico. Porém, embora não existam diferenças significativas entre os métodos de aquecimento, as imagens térmicas mostraram que o aquecimento tradicional atende melhor aos objetivos esperados para esta fase de preparação. Já em relação ao 3º estudo, teve como objetivo analisar o efeito agudo de diferentes tipos de aquecimento (tradicional e com alongamento), sobre a performance em atletas de nível regional e atletas de nível nacional do Powerlifting Paralímpico (PP). A amostra foi constituída de 18 atletas de PP, sendo nove de nível nacional (NL) e nove de nível regional (RL). Foram obtidos dados relativos à 1RM, FIM, TDF, IF, Tempo até a Força Máxima (Tempo), VMáx e temperatura corporal através de Termografia em relação aos diferentes tipos de aquecimento. Concluiu-se que os diferentes tipos de aquecimento não propiciam diferenças significativas nos indicadores de força sejam dinâmicas ou estáticas, no entanto o aquecimento pareceu ser menos importante nos atletas de nível regional do que atletas de nível nacional.
Paralympic Powerlifting is a sport characterized by the expressive use of strength, where the competitor has three attempts in each event to lift a maximum load in a single repetition. On the other hand, warm-up practices have been used to prepare the athlete for training and/or competition in various sports to induce psychological, neuromuscular, and body temperature changes to improve performance. In this sense, the 1st study aimed to analyze different types of warm-up on strength performance related to static and dynamic mechanical variables of national-level Paralympic Powerlifting athletes. The sample consisted of 12 male national-level athletes competing in Paralympic Powerlifting. Data were obtained for 1Repetition Maximum (1RM), Maximum Isometric Force (FIM), Rate of Force Development (TDF), Fatigue Index (IF), Time to Maximum Force (Time), Maximum Velocity (Vmax), and tympanic temperature concerning the different types of warm-up. The data obtained suggest that the type of warm-up does not provide significant differences in temperature and strength indicators, whether dynamic or static. Regarding the 2nd study, we intended to evaluate the effect of different types of warm-up on strength and thermographic variables of Paralympic Powerlifting athletes. The sample consisted of 15 male national-level athletes competing in Paralympic Powerlifting. Data related to dynamic force indicators were obtained: Average Propulsion Velocity (MPV) and power; and static force indicators: impulse and variability, Peak torque, 1RM, and thermographic temperature concerning the different types of warm-up. The results indicate that the type of warm-up does not seem to interfere in the performance of Paralympic Powerlifting athletes. However, although there are no significant differences between the warm-up methods, the thermal images showed that traditional warm-up better meets the expected objectives for this preparation phase. The 3rd study aimed to analyze the acute effect of different types of warm-up (traditional and stretching) on the performance of Paralympic Powerlifting athletes at regional and national levels. The sample consisted of 18 athletes, nine from the national level (NL) and nine from the regional level (RL). Data related to 1RM, FIM, TDF, IF, Time to Maximum Strength (Time), VMax were registered, and body temperature was obtained through Thermography concerning the different types of warm-up. It was concluded that the different types of warm-up do not provide significant differences in strength indicators, whether dynamic or static; however, the warm-up seemed to be less important in regional-level athletes than in national-level athletes.
Descrição
Este trabalho foi expressamente elaborado como tese original para efeitos de obtenção do grau de Doutor em Ciências do Desporto, de acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto e Regulamento n.º 656/2016 publicado no Diário da República, 2.ª série — N.º 133 — 13 de julho de 2016
Palavras-chave
Aquecimento , Levantamento de peso
Citação