Curtimento de peles de pescada amarela (Cynoscion acoupa): recursos naturais no Estado do Maranhão (Brasil), etapas processuais e valorização económica

Data
2016-05-06
Título da revista
ISSN da revista
Título do Volume
Editora
Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
A pesca extrativa marinha e estuarina representa, para o Brasil, a principal fonte de alimento de origem aquática, gerando aproximadamente 800 mil empregos diretos e indiretos, dos quais dependem cerca de três milhões de pessoas. A produção é de aproximadamente 1 milhão de toneladas/ano de pescado. De maneira similar à Região Norte, no nordeste brasileiro e, em especial no estado do Maranhão, o modelo de pesca é maioritariamente artesanal (cerca de 75% das capturas regionais). Ainda assim, o Maranhão é tradicionalmente o principal produtor de pescado na região nordeste do Brasil com 78 mil toneladas em 2013, de acordo com o Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA). O recurso pesqueiro de maior importância no estado do Maranhão, de entre as 33 espécies mais comuns, em peso e em valor económico corresponde à pescada amarela (Cynoscion acoupa). Nos últimos dez anos, de acordo com levantamento da produção pesqueira, a pescada amarela tem representado cerca de 10% do peso total de pescado. No município de São Luís, capital do estado do Maranhão, a comercialização do pescado supera 930 toneladas/mês. Deste valor cerca de 15% do volume total são considerados subprodutos, onde se incluem as vísceras, escamas, ossadas e peles, que normalmente são retirados e descartados pelos estabelecimentos de comercialização de pescados. Nos últimos 11 anos, tem-se observado no município de São Luís, um grande contingente de subprodutos da pescada amarela e de outras espécies de grande porte, sendo desperdiçados sem nenhum critério de gerenciamento, aproveitamento e disposição final adequado. Os resíduos produzidos pelas indústrias pesqueiras têm gerado sérios problemas ambientais e são potenciais fontes poluidoras. O aproveitamento dos resíduos das indústrias de pescado pode ser realizado em diversos produtos, dentre eles estão os fertilizantes, produção de farinha, óleo e couros que podem ser utilizadas na indústria de artefatos de couro. No processo de filetagem, a pele de peixe, que representa em média 7,5% do seu peso total, é considerada um subproduto que pode ser beneficiado por um processo de curtimento e transformado em couro. Com este tratamento, a pele torna-se um produto imputrescível e com qualidades físico-mecânicas, como maciez, elasticidade, flexibilidade e resistência à tração e resulta numa matéria-prima de qualidade e de aspecto peculiar inimitável, após o curtimento, devido à sua resistência e ao desenho formado na sua superfície, principalmente as peles de peixes com escamas. Como o tamanho do peixe está diretamente relacionando com a espessura da pele e, consequentemente, à quantidade de fibras colagéneas, a pescada amarela e outras espécies de grande porte, apresentam vantagens significativas em relação a outras espécies em estudo, como a tilápia, por ser um peixe de pequeno porte. Como solução economicamente viável e eficaz para o processo de aproveitamento de pele de peixes, utilizou-se o tanquinho de lavar roupa, uma tecnologia inovadora, acessível e suficientemente capaz de atender às necessidades para realização das etapas, se comparado ao fulão, equipamento habitualmente usado para o processo. O processo de curtimento consiste em média num conjunto de 15 etapas: salga e ribeira, pré-remolho, remolho, pré-descarne e descamação, caleiro, descarne, desencalagem, purga, píquel, curtimento, recurtimento, neutralização, tingimento, engraxe, secagem, amaciamento. Além da tecnologia inovadora aplicada ao processo de curtimento, teve-se como objetivo a utilização de produtos naturais como os taninos em substituição do crómio, bem como produtos mais comuns e menos agressivos ao ambiente. Por outro lado, procurou destacar-se a importância e a necessidade do aproveitamento integral dos subprodutos de peixe gerados, principalmente, pelo processo de filetagem para a redução do impacto ambiental e, ainda, estabelecer critérios de responsabilidades para as indústrias e garantir, possivelmente, o aumento da lucratividade e criar oportunidades para as comunidades pesqueiras e novas perspectivas de trabalho e renda.
The extractive marine and estuarine fishing is, for Brazil, the main food source of aquatic origin, generating approximately 800 000 direct and indirect jobs, of which depend about three million people. The production is about 1 million tons / year of fish. In a similar way to the Northern Region, in northeastern Brazil, and especially in the state of Maranhão, the model is mostly artisanal fishing (about 75% of the regional catch). Still, Maranhão is traditionally the main producer of fish in the northeast region of Brazil with 78 000 tons in 2013, according to the Ministry of Fisheries and Aquaculture (MPA). The most important fishery resource in the state of Maranhão, among the 33 most common species, weight and economic value corresponds to the yellow fish (Cynoscion acoupa). Over the past decade, according to a survey of fisheries production, the yellow fish has represented about 10% of the total weight of fish. In São Luís, capital of Maranhão State, the marketing of fish exceeds 930 tons / month. Of this amount about 15% of total volume is considered by-products, where the viscera, scales, bones and skins, which are usually removed and discarded by marketing establishments of fish, are included. Over the past 11 years, has been observed in São Luís, a large number of by-caught yellow and other large species, being wasted without any criteria management, utilization and proper disposal. The waste produced by the fishing industries have generated serious environmental problems and are potential pollution sources. Waste recovery of fish industries can be accomplished in several products, among them are the fertilizers, production of flour, oil and leather that can be used in the leather goods industry. In the filleting process, the fish skin, which is on average 7.5% of their total weight, is considered a byproduct which can be benefited by a tanning process and processed into leather. With this treatment, the skin becomes a rot-proof and physico-mechanical properties, such as softness, elasticity, flexibility and tensile strength results in a product and feedstock quality and inimitable peculiar aspect, after tanning, due to their resistance and pattern formed on its surface, particularly the skins of fish with scales. As the size of the fish is directly relating to the thickness of the skin and hence the amount of colagéneas fibers, yellow hake and other large species, present significant advantages over other species under study, such as tilapia, being one large fish. How effective and economically viable process for the recovery of fish skin solution, we used the washboard washing, an innovative, affordable and capable enough to meet the needs for carrying out steps technology, compared to fulão equipment commonly used to the process. The tanning process is to average a set of 15 steps: salting and river, pre-soaking, soaking, pre-cut back and scaling, liming, strip, deliming, purging, pickling, tanning, retanning, dyeing, greasing, drying, softening. Besides the innovative technology applied to the tanning process, the use of natural products such as tannins instead of chromium, conducts to a less harmful products to the environment. On the other hand, sought to highlight the importance and the need for full utilization of fish by-products generated mainly by the filleting process to reduce environmental impact and also establish criteria for industries responsibilities and ensure possibly increasing profitability and creating opportunities for fishing communities and new job prospects and income.
Descrição
Dissertação de Mestrado em Engenharia do Ambiente
Palavras-chave
Pescada (amarela) , Curtimento de peles , Tecnologia inovadora , Curtimento vegetal
Citação