Atividade Física e qualidade de vida: barreiras à atividade física

Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
Ao longo das últimas décadas houve uma alteração significativa no estilo de vida das populações, principalmente nas que pertencem aos países desenvolvidos. Os elevados valores de inatividade física aumentaram, devido a um estilo de vida mais sedentário, implicando um risco maior de ocorrência de doenças não transmissíveis (diabetes tipo II, doenças cardiovasculares, obesidade, alguns tipos de cancro e doenças mentais como depressão e ansiedade). A OMS e o ACSM, recomendam 150 a 300 minutos de atividade física de intensidade moderada, ou 75 a 150 minutos de intensidade vigorosa de 7.5 METs por semana, ou uma combinação equivalente das duas, para se realizar a atividade física mínima para um adulto. O objetivo deste estudo foi perceber qual o nível de atividade física, nível de sedentarismo e quais as barreiras à prática de atividade física. A recolha de dados foi realizada através do preenchimento de um questionário dividido em três áreas: Questionário sociodemográfico, GPAQ e o QBPAFI. Este estudo contou com a participação de 152 indivíduos, dos quais 67 homens e 85 mulheres, com uma média de idade de 23,8 anos (Mínimo-18 anos Máximo-35 anos). Os resultados obtidos mostraram que 27% dos individuos não cumpre o mínimo de atividade física recomendada. O tempo médio que os individuos permanecem sentados é de 5,77 horas por dia. As barreiras à prática de atividade física mais mencionadas foram: Não tenho tempo livre suficiente; Preciso de descansar no meu tempo livre e Não tenho ninguém para me acompanhar na atividade física. Os resultados obtidos relativos ao nível de atividade física mostram valores abaixo de outros estudos. Já o tempo médio sentado e as barreiras à prática de ativiade física vão ao encontro aos estudos realizados.
Over the last few decades, there has been a significant change in the lifestyle of populations, especially in developed countries. The high values of physical inactivity increased, due to a more sedentary lifestyle. These values lead to a higher risk of developing diseases. These diseases are non-communicable (type II diabetes, cardiovascular disease, obesity, some cancers, and mental illnesses such as depression and anxiety). The WHO and ACSM recommend 150 to 300 minutes of moderate-intensity physical activity, or 75 to 150 minutes of vigorous-intensity 7.5 METs per week, or an equivalent combination of the two, to achieve the minimum physical activity for an adult. The objective of this study is to understand the level of physical activity, level of sedentary lifestyle and what are the barriers to physical activity. Data collection was performed by completing a questionnaire divided into three areas: Sociodemographic Questionnaire, GPAQ and QBPAFI. This study had the participation of 152 individuals, of which 67 were men and 85 were women, with a mean age of 23.8 years (Minimum-18 years, Maximum-35 years). The results obtained shows that 27% do not comply with the minimum recommended physical activity. The average time that individuals in this sample remain seated is 5.77 hours per day. The most mentioned barriers to the practice of physical activity were: I don't have enough free time; I need to rest in my free time, and I don't have anyone to accompany me in physical activity. The results obtained in this study regarding the level of physical activity show values below those of other studies. The average sitting time and the barriers to physical activity practice are in line with previous studies.
Descrição
Este trabalho foi expressamente elaborado como dissertação para efeito de obtenção do grau de Mestre em Ciências do Desporto, em Especialização e Prescrição na Atividade Física, sendo apresentada na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Palavras-chave
Atividade física , Exercício físico
Citação