Atuação médico-veterinária em centros de reabilitação de focas: experiência no RSPCA Mallydams Wood, Cornish Seal Sanctuary e Zeehondencentrum Pieterburen

Data
2023-04-28
Título da revista
ISSN da revista
Título do Volume
Editora
Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
O presente relatório foi realizado no âmbito da dissertação do curso de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e permite evidenciar o trabalho médico-veterinário na reabilitação de animais selvagens, principalmente de focas. A experiência prática foi realizada em três locais distintos. O RSPCA Mata de Mallydams foi o primeiro local onde contactei com focas comuns (Phoca vitulina), mas também com muitas outras espécies selvagens, permitindo uma casuística bastante variada. No Santuário de focas de Cornwall tive a oportunidade de trabalhar com uma outra espécie de focas, a foca-cinzenta (Halichoerus grypus), e ainda com focas adultas que encontraram neste centro uma casa permanente. E por último, no centro de focas de Pieterburen, pude experienciar como um centro apenas destinado ao cuidado de focas funciona, estando presentes as duas espécies previamente mencionadas. Ao longo dos três estágios pude observar e ajudar os diversos médicos veterinários no seu trabalho, mas também acompanhar o trabalho dos muitos outros profissionais que contactam com estes animais selvagens. As focas habitam o meio aquático exibindo certas adaptações anatómicas e fisiológicas para poder acomodar a vida no mesmo. Estas alterações podem tornar-se desafiantes aquando da sua reabilitação sendo necessário a adaptação do tratamento veterinário a estes animais específicos. O objetivo principal da reabilitação de focas é o seu retorno à natureza. A mesma têm vindo a aumentar nos últimos anos devido às diversas ameaças quer antropogénicas quer de outra origem, como por exemplo, a separação materna e o parasitismo. As focas, como animais selvagens, necessitam de mais cautela no seu tratamento veterinário e reabilitação uma vez que existem diversas dificuldades, como por exemplo, a sua contenção. Também os locais onde as focas são albergadas são bastante diferentes uma vez que o acesso a água deve ser garantido, salvaguardando algumas exceções. Existe ainda a possibilidade de transmissão de doenças zoonóticas, que poderão afetar o ser humano ou que podem conduzir à sua introdução nas populações selvagens destes animais após o seu retorno à natureza. Além da reabilitação, as focas podem permanecer em cativeiro permanente, onde o enriquecimento ambiental e o treino destes animais são peças fundamentais que melhoram o bem-estar dos animais, permitindo diminuir o stress imposto assim como estimular o animal tal como aconteceria no seu ambiente natural. Uma outra vantagem do treino destes animais é ainda a sua participação ativa nos exames físicos e complementares realizados pelo veterinário.
The present report was written under the dissertation of the Integrated Masters in Veterinary Medicine of the University of Trás-os-Montes e Alto Douro and allows to pinpoint and emphasize the role of the veterinarian in the rehabilitation of wild animals, especially of seals. The practical experience was carried out in three distinct recuperation centers. The RSPCA Mallydams Wood allowed me the first contact with common seals (Phoca vitulina) but also with a variety of other wildlife which provided a very diversified work. In the Cornish Seal Sanctuary I was able to work not only with a new species of seals, the grey seal (Halichoerus grypus), but also with adult common and grey seals that found a permanent home in this center. And lastly, in the Zeendoncentrum Pieterburen I was able to experience a center designated only to the care and rescue of seals where both species aforementioned were present. In the course of the three internships I was able to observe and help the different veterinarians in their daily work, but also accompany and perform some of the work of the other professionals that are responsible for the rehabilitation of these wild animals. The seals inhabit the ocean, therefore they evolved with certain anatomical and physiological adaptations in order to survive in the aquatic environment. These specific adaptations may be challenging when these animals undergo rehabilitation, hence the necessity of adjustment of the veterinary aproach to seals. The main goal of seal rehabilitation is their return to the sea. The rehabilitation of seals has been growing in the last few years due to anthropogenic threats and threats with other origins such as maternal separation and parasites. As wild animals, seals require specific safety measures in their treatment and rehabilitation as some dificulties may arise, for example, in their restraint. There is also the subject of their enclosures which must be adapted with water at all times, save for some exceptions. Furthermore there is the possibility of transmission of zoonotic diseases that may afect human beings or could lead to the introduction of novel diseases in the wild populations of these animals after their return to the wild. Seals can also remain in captivity permanently. In this case, environmental enrichment and training are key strategies for animal welfare, allowing less stress and also stimulating the animals as would occur in their natural environment, not to mention another advantage which would be their voluntary participation in their physical and complementary exams performed by the veterinarian.
Descrição
Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária
Palavras-chave
Reabilitação , Focas
Citação