Epidemiological analysis and clinical manifestations of canine distemper Virus in whitenosed coatis (Nasua narica) and crab-eating raccoons (Procyon cancrivorus) of Costa Rica: a comparative study and literature review

Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
Canine distemper is a viral infectious disease of caused by the canine distemper virus (CDV). This virus belongs to the Mononegavirales order, Paramyxoviridae family, Morbillivirus genus and is able to infect a wide range of species. Although having been reported in dogs for more than a century, CDV was only described for the first time in non-dog hosts in 1937. In consequence of its high variability and tendency for host-switching, CDV has been considered a conservation threat to populations of unexposed and unvaccinated populations of wild carnivore and non-carnivore species. This has resulted in new studies being conducted in wildlife. Despite the available epidemiological and phylogenetic research, the viruses’ transmission and maintenance in wildlife populations remains unclear. This study was conducted with the purpose of reviewing and synthetizing existing information regarding canine distemper virus infections in wildlife species. A statistical analysis is performed in parallel concerning distemper infections in 22 crab-eating raccoons (Procyon cancrivorous) and white-nosed coatis (Nasua narica) admitted in the Alturas Wildlife Rescue Center clinic from the years 2017 to 2021. The diagnosis of CDV was performed using a rapid enzyme immunochromatography test kit (SensPERT Canine Distemper Virus Test™ [Cdv Ag], Vetall Laboratories©, Korea). In this study we compared the gathered data with existing literature on the distribution, clinical signs, diagnosis, and outcomes of CDV infections in the target animals.
A esgana canina é uma doença infeciosa viral causada pelo vírus da esgana canina (CDV). Este vírus pertence à ordem Mononegavirales, família Paramyxoviridae, género Morbillivirus e, é capaz de infetar uma ampla variedade de espécies. Embora tenha sido relatada em cães há mais de um século, o CDV foi descrito pela primeira vez em hospedeiros não caninos em 1937. Em consequência da sua elevada variabilidade e tendência para mudança de hospedeiros, o CDV tem sido considerado uma ameaça à conservação de populações de espécies selvagens não expostas e não vacinadas, tanto de carnívoros como de não carnívoros. Isto resultou na realização de novos estudos em vida selvagem. Apesar das pesquisas epidemiológicas e filogenéticas disponíveis, a transmissão e a manutenção do vírus em populações de vida selvagem ainda não estão claras. Este estudo foi realizado com o objetivo de rever e sintetizar informações existentes relativamente a infeções pelo vírus da esgana canina em espécies selvagens. Uma análise estatística é realizada em paralelo em relação a infeções por esgana em 22 guaxinins sul-americanos (Procyon cancrivorous) e quatis-de-nariz-branco (Nasua narica) admitidos na clínica do Alturas Wildlife Sanctuary entre os anos de 2017 e 2021. O diagnóstico de CDV foi realizado utilizando um kit de teste de imunocromatografia enzimática rápida (SensPERT Canine Distemper Virus Test™ [Cdv Ag], Vetall Laboratories©, Coreia). Neste estudo, comparamos os dados colecionados com a literatura existente sobre a distribuição, sinais clínicos, diagnóstico e desfechos das infeções por CDV nos animais-alvo.
Descrição
Palavras-chave
canine distemper virus (CDV) , wildlife
Citação