Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10348/10685
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSantana, Maria Olinda Rodriguespt_PT
dc.date.accessioned2021-09-14T14:08:29Z-
dc.date.available2021-09-14T14:08:29Z-
dc.date.issued2021-06-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10348/10685-
dc.description.abstractNo arquivo pessoal da portuense Maria Irma Nunes de Sousa (1910-1989), existe um diário manuscrito intitulado: “Portugal: Fátima”, redigido de 1938 a 1973, que descreve e sintetiza vinte e três peregrinações e visitas feitas pela diarista, ao Santuário de Fátima, durante quase quatro décadas. No referido diário, a turiperegrina relata as suas peregrinações, de cunho religioso, ao santuário mariano, com todas as variantes associadas à devoção, à religiosidade, mas também regista no seu discurso a componente cultural e turística das suas viagens, descrevendo visitas histórico-culturais ao centro do país, promovidos turisticamente na época, tais como: o Mosteiro da Batalha, o Mosteiro de Alcobaça, as cidades de Aveiro, Coimbra, Leiria, comentando, inclusive, as suas refeições nos restaurantes ou as suas impressões sobre o alojamento em Fátima. A dupla vertente da peregrinação e do turismo faz com que as citadas viagens sejam exemplos paradigmáticos de práticas sociais de turiperegrinação. Uma análise do discurso e da imagem aplicada ao diário manuscrito permitiu obter uma visão pessoal, subjetiva das motivações das viagens ao “lugar santo”, salientando, por um lado, os significados religioso, espiritual, simbólico da peregrinação a Fátima, e, por outro, os aspetos profanos: a componente turística, de lazer e cultura das mencionadas peregrinações. Ademais, este diário, apesar de ser sobretudo um documento pessoal e íntimo, ultrapassa esse âmbito mais restrito e disponibiliza informes vários sobre a evolução das infraestruturas turísticas e dos meios de transporte projetados para o Santuário, no período contemplado, isto é, ajuda a perceber como o Santuário de Fátima se tornou no maior santuário do território português, num lapso temporal diminuto.pt_PT
dc.description.sponsorshipJunta de Castilla y Léon, Museo Etnográfico de Castilla y Léon; CETRAD, UTADpt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.publisherJunta de Castilla y Léon, Museo Etnográfico de Castilla y Léonpt_PT
dc.relation.ispartofCETRAD - Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimentopt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.subjectarquivopt_PT
dc.subjectsantuáriopt_PT
dc.subjectperegrinaçãopt_PT
dc.titleDiscursos de práticas de turiperegrinação ao Santuário de Fátimapt_PT
dc.typebookPartpt_PT
degois.publication.firstPage249pt_PT
degois.publication.lastPage266pt_PT
degois.publication.locationEspanha (Zamora)pt_PT
dc.relation.publisherversionhttps://museo-etnografico.com/sagrados_congreso.php?clase=6&id=128pt_PT
dc.peerreviewedyespt_PT
dc.date.embargolift2021-07-
Appears in Collections:DLAC - Capítulo ou Parte de Livro

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DiscursosPraticasTuriperegrinacaoFatima2021.pdf583,59 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.