Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10348/3335
Title: Efeito crônico da manipulação do método de descanso entre séries de exercícios de treino de força nos níveis de força, na flexibilidade e nas adaptações hormonais
Authors: Souza, Antônio Cláudio do Rosário
Advisor: Vilaça, José
Novaes, Jefferson da Silva
Keywords: Flexibilidade
Força
Cortisol
Treino de força
Hormona do crescimento
Issue Date: 16-Oct-2014
Abstract: Os níveis adequados de força muscular e flexibilidade são importantes para a manutenção da aptidão física, autonomia funcional e manutenção e promoção da segurança durante a atividade esportiva. O objetivo do presente trabalho foi de analisar o efeito de oito semanas de treinamento de força com ou sem alongamento durante o descanso entre as séries nos níveis hormonais, de força muscular e de flexibilidade em homens treinados recreacionalmente Dezesseis homens treinados foram divididos de forma randomizada em dois grupos experimentais: grupo alongamento estático (GAP) e grupo intervalo passivo (GIP). Todos os participantes realizaram 24 sessões de treinamento, 3 vezes na semana. Foram realizados os testes e retestes de 8RM para força muscular e de flexibilidade (goniometria) e medidas hormonais (cortisol e hormônio do crescimento) nas medidas pré-experimento e teste pósexperimento. Foi utilizada uma ANOVA para medidas repetidas, (2 grupos vs. 2 momentos). Adicionalmente, foi realizado o efeito do tamanho (ES) com a escala proposta por Rhea (2004). O nível de significância adotado foi de p < 0,05. Os resultados mostraram que ambos os grupos tiveram aumentos na força muscular (GAPpré vs. GAPpós ; GIP vs. GIPpós), nos mesmos exercícios, cadeira extensora (CE) e remada (RM). No grupo GAP no exercício CE (p =0,0015 e ES = 2,28 - Grande) e na RM (p = 0,002 e ES = 1,95 - Grande) no grupo PIG no exercício de CE (p = 0,0090 e ES = 1,95 – Grande) e na RM (p = 0,0001 e ES = 2,88 - Grande). Não foram encontradas diferenças significativas nas medidas entre grupos (GAPpós vs. GIPpós). Ambos os grupos mostraram ganhos significativos na flexibilidade em diferentes articulações (GAPpré vs. GAPpós ; GIPpré vs. GIPpós). No grupo GAP, apenas em três articulações foram encontradas diferenças significativas nos ganhos de flexibilidade: extensão de ombros (p = 0,004 e ES = 1,76-Grande); flexão de tronco (p = 0,002 e ES = 2,36– Grande) e flexão de quadril (p = 0,000 e ES = 1,79 – Grande). No grupo GIP, apenas três articulações apresentaram ganhos significativos na flexibilidade: abdução horizontal de ombros (p = 0,003 e ES = 2,0 – Grande); flexão de quadril (p = 0,000 e ES = 2,39 – Grande) e extensão de quadril (p = 0,02 e ES = 1,79 – Grande). Nas análises entre grupos (GAPpós x GIPpós) foram encontradas diferenças significativas apenas em duas articulações: extensão de ombros (p = 0,001) e abdução horizontal de ombros (p = 0,001). Nas medidas hormonais não foram encontradas diferenças significativas no cortisol e no hormônio do crescimento. Conclui-se que ambos os protocolos tiveram ganhos de força muscular e de flexibilidade, mas não modificaram os perfis hormonais em homens treinados.
Adequate levels of strength and flexibility are important not only for the promotion and maintenance of health and functional autonomy but also for safe and effective sports participation. The aim of the present study was to analyze the effects of eight weeks of strength training with and without inter-set static stretching on strength, flexibility and hormonal adaptations of trained men. 16 trained men were randomly divided into 2 groups: Static stretching group (SSG) and Passive interval group (PIG). All participants performed 24 sessions, 3 times a week. Also, was performed the evaluation of the test and retest of 8RM flexibility, cortisol and growth hormone in pre-test and post-test conditions. Was used the general linear model 2x2 (2 groups X 2 moments). An alpha level of p<0.05 was considered statistically significant for all comparisons. Both groups showed significant increases in strength (SSGpre vs. SSGpost ; PIGpre vs. PIGpost), in same exercises; LE and LR. In SSG group in LE (p =0.0015 and ES = 2.28 - Large) and the LR (p = 0.002 and ES = 1.95 - Large) and in PIG group in LE (p = 0.0090 and ES = 1.95 – Large) and in LR (p = 0.0001 and ES = 2.88 - Large). No differences were showed between groups (SSGpost vs. PIGpost). Both Groups showed significant increases in flexibility, but in different joints (SSGpre vs. SSGpost ; PIGpre vs. PIGpost). In SSG Group, only three joints showed significant increases in flexibility: shoulder extension (p = 0.004 and ES = 1.76 - Large); torso Flexion (p = 0.002 and ES = 2.36 – Large) and hip flexion (p = 0.000 and ES = 1.79 – Large). In PIG group, only three joints showed increases in flexibility: horizontal shoulder abduction (p = 0.003 and ES = 2.07 – Large); hip flexion (p = 0.000 and ES = 2.39 – Large) and hip extension (p = 0.02 and ES = 1.79 – Large).In between groups analyses (SSGpost x PIGpost) has been found differences only in two joints: shoulder extension (p = 0.001) and horizontal shoulder abduction (p = 0.001)... Hormonal profiles showed no significant differences in cortisol secretion and growth hormone. In conclusion, both studied strength protocols (with and without interset static stretching) resulted in flexibility and strength gains without an effect on anabolic and catabolic hormonal profile.
Description: Tese de Doutoramento em Ciências do Desporto
URI: http://hdl.handle.net/10348/3335
Document Type: Doctoral Thesis
Appears in Collections:OLD - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
phd_acrsouza.pdf916,28 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.