Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10348/8436
Título: O teatro de Bonifrates em Portugal durante o Estado Novo (1933-1974)
Autor: Oliveira, José Luís de
Orientador: Candelas Coldrón, Manuel Ángel
Palavras-chave: Teatro de Bonifrates
Estado Novo (Portugal)
Data: 22-Jun-2017
Editora: Universidade de Vigo
Resumo: A primeira metade do século XX testemunhou em todo o mundo uma série de acontecimentos que viriam a mudar social e culturalmente os povos. Em Portugal é instituído, em 1933, o Estado Novo, regime autoritário que vigorou até 1974. O Teatro de Bonifrates em Portugal apresenta, durante este período, matéria de extrema importância para o estudo desta arte do espetáculo no contexto artístico e pedagógico. Verifica-se o aumento da atividade bonifrateira assente num teatro de marionetas tradicional, com as personagens tipo; figuras subversivas, que serviam de arauto do descontentamento do povo face à política de repressão em que vivia. Mas, nos anos 60 a tradição desta arte – que era essencialmente popular – começa a perder clientela, constituída por um público fundamentalmente rural, o qual deixa de ver interesse nas suas representações, em detrimento de outros divertimentos. Eis que a classe letrada encontra nos fantoches um filão a explorar, fazendo com que os bonecos tradicionais viessem a ser resgatados do inevitável esquecimento. O teatro de bonifrates tradicional em Portugal goza – ao longo de grande parte do século XX – de boa saúde. Grupos de bonecreiros com experiência herdada de pais para filhos ao longo de gerações – cujos repertórios de cariz religioso, inspirados em episódios bíblicos – percorriam as aldeias e vilas do interior alentejano. Empresários de pavilhões itinerantes de bonifrates assentavam arraiais nas feiras e festas de norte a sul do país, levando às populações vários espetáculos de marionetas. Titereiros a solomontavam as suas barracas nas praças e nas praias durante os meses de estio, divertindo miúdos e graúdos com as tropelias dos seus robertos. Ao longo dos quarenta e um anos de ditadura salazarista, entre 1933 e 1974, estes bonecreiros veem-se compelidos a contornar os obstáculos que se lhes deparavam pelo caminho, criados pelo aparelho do Estado Novo. Inquietações políticas aparte, a partir dos anos 60 o teatro de bonifrates começa a verificar um gradual declínio, fruto das transformações tecnológicas, da evolução das estruturas da sociedade e das consequentes mudanças de mentalidades da população. Esta decadência que ameaçava a sua extinção não passou, contudo, despercebida de alguns historiadores e outros indivíduos da cultura, os quais se empenham no levantamento desse património, intentando a sua preservação. Paralelamente, pedagogos e demais intelectuais encontram no bonifrate um auxiliar no desenvolvimento das suas práticas pedagógicas. Impelidos por novas teorias relacionadas com a educação da criança irão recorrer ao boneco de luva introduzindo-o em espetáculos para a infância e também nas escolas, por via da construção e manipulação de fantoches.
The first half of the twentieth century witnessed a series of events worldwide that would socially and culturally change people. In Portugal, the authoritarian regime, “Estado Novo”, began in 1933 and lasted until 1974. The Puppet Theatre, during this period, presents contents of extreme importance for the study of this art in the artistic and pedagogical context. The puppet activity increased in a traditional puppet theater with type characters; subversive figures that served to herald the discontent of the people against the policy of repression in which they lived. But in the sixties, the tradition of this art - which was essentially popular - begins to lose clientele, consisting of a fundamentally rural public, who fails to see interest in the representations to the detriment of other entertainment. Behold, the literate class found in the puppets an area to explore, enabling the rescue of traditional puppets from the inevitable forgetfulness. In Portugal, the traditional puppet theater was - throughout much of the twentieth century - in great activity. Puppeteer groups with experience transmitted from father to son over generations - whose repertoire was inspired by biblical episodes - roamed the villages and towns of the interior of Alentejo. Itinerant puppet pavilion managers camped in fairs and festivals from the north to the south of the country, taking several puppet shows to people. Solo puppeteers pitched their tents in the squares and on beaches during the summer months, entertaining children and adults with the mischief of their puppets. During more than the forty years of Salazar's dictatorship, between 1933 and 1974, these puppeteers found themselves compelled to overcome the obstacles they encountered along the way, created by the “Estado Novo” apparatus. Political concerns apart, from the sixties, puppet theatre started a gradual decline as a result of technological revolution, modifications in social structures and consequent changes in mentalities. This decline threatening their extinction was not overlooked by some historians and other culture individuals, who are engaged in the survey of this heritage, attempting to preserve it. At the same time, teachers and other intellectuals find in puppet theatre an aid to the development of their teaching practices. Driven by new theories related to the children’s education, they will resort to the glove puppet, entering it in shows for children and also in schools, through the construction and manipulation of puppets.
URI: http://hdl.handle.net/10348/8436
Tipo de Documento: Tese de Doutoramento
Aparece nas colecções:TD - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DOCTORAT REAL 3.pdf7,14 MBAdobe PDFThumbnail
Ver/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.