Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10348/8574
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorMarques, Carlos Duarte Coelho Peixeirapt_PT
dc.contributor.authorLeal, Carmem Teresa Pereirapt_PT
dc.date.accessioned2018-07-27T11:53:53Z-
dc.date.available2018-07-27T11:53:53Z-
dc.date.issued2018-
dc.identifier.isbn978-972-8681-72-2-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10348/8574-
dc.description.abstractEste artigo propõe-se aplicar a Teoria Afetiva da Troca Social para avaliar de que forma a ligação afetiva à organização, resultante das trocas de conhecimento, funciona como inibidor da intenção de saída dos profissionais das organizações de saúde portuguesas. Para o efeito, foi criado um modelo com as variáveis do processo endógeno da teoria (troca, afeto, coesão organizacional, ligação afetiva), o qual foi avaliado empiricamente numa amostra de 409 profissionais. Os resultados confirmam a adequação da teoria para explicar como se gera ligação afetiva e como esta pode inibir o fenómeno de abandono, que tanto afeta as organizações e os sistemas de saúde na maioria dos países da OCDE, incluindo Portugal. No que respeita à troca de conhecimento, mostra-se que a via informal e personalizada é a que produz maior ligação, influenciando assim negativamente a intenção de abandono. Do conhecimento dos autores, este é o primeiro estudo a aplicar integralmente o processo endógeno da teoria, quer à intenção de saída, quer à partilha de conhecimento nas organizações.pt_PT
dc.description.abstractThe purpose of this paper is to test how, in the framework of the Affect Theory of Social Exchange, affective attachment to the organisation, resulting from knowledge exchange, acts as a barrier to employee attrition in Portuguese healthcare organisations. A model was designed to accommodate all the endogenous variables from the theory (exchange, affect, group cohesion, and affective attachment) and empirically tested using a survey of 409 employees. Findings support theory’s adequacy to explain how affective attachment is developed and how it restrains employee leave, a process affecting and harming health systems and organizations in most OECD countries, Portugal included. Regarding knowledge exchange, findings suggest that personalisation promotes attachment, thus hindering turnover intentions. To authors’ knowledge, this is the first paper to fully integrate the endogenous variables that frame the Affect Theory of Social Exchange in studying either turnover intentions or knowledge exchange.pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.publisherSaraiva, Helena I B and Gabriel, Vítor M Spt_PT
dc.relation.ispartofCETRAD - Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimentopt_PT
dc.rightsclosedAccesspt_PT
dc.subjectTeoria Afetiva da Troca Socialpt_PT
dc.subjectIntenção de saídapt_PT
dc.subjectPartilha de conhecimentopt_PT
dc.subjectOrganizações de saúdept_PT
dc.titleAplicação da teoria afetiva da troca social à intenção de saída de organizações de saúdept_PT
dc.typeconferenceObjectpt_PT
degois.publication.locationGuardapt_PT
degois.publication.titleXXVIII Jornadas Hispano-Lusas de Gestión Científicapt_PT
Aparece nas colecções:DESG - Livro de Ata de Conferência

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
JLEGC_2018_paper_295.pdf
  Restricted Access
188,55 kBAdobe PDFVer/Abrir Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.