O formador de educação e formação de adultos nas prisões portuguesas – um estudo sobre o processo de aprendizagem e a construção do saber profissional

Data
2023-06-22
Título da revista
ISSN da revista
Título do Volume
Editora
Projetos de investigação
Unidades organizacionais
Fascículo
Resumo
A educação e formação de adultos tem vindo a ganhar importância na sociedade atual. Inicialmente desenvolveu-se, tal qual a entendemos hoje, no seio de movimentos sociais e na consolidação dos sistemas de ensino em diferentes países. Com este estudo pretendemos refletir, essencialmente, sobre a educação e formação de adultos que decorre nos estabelecimentos prisionais portugueses e, de forma mais concreta, sobre os professores/formadores que aí ministram formação, procurando perceber como aprendem, constroem e desenvolvem os seus saberes e competências profissionais, que lhes permitem o exercício da função num local tão específico de educação. O foco desta investigação em tal processo de aprendizagem e construção de saber justifica-se pelo facto de não existir, à partida, qualquer tipo de formação específica para os professores/formadores que lecionam nos estabelecimentos prisionais e também pela escassez de estudos científicos nesta área, pelo que estamos convictos que a sua realização contribui para o avanço do conhecimento neste âmbito. Para desenvolvermos esta investigação recorremos a uma metodologia mista. Numa primeira fase, através da metodologia quantitativa, realizámos inquéritos por questionário, aos professores/formadores que desempenham funções na educação nas prisões do continente e ilhas. Numa segunda fase, através da metodologia qualitativa, realizámos entrevistas semiestruturadas a um grupo de professores/formadores que lecionam num estabelecimento prisional do interior norte de Portugal. Na primeira fase pretendeu-se, sobretudo, realizar uma caracterização daqueles que exercem a função de professores/formadores nos estabelecimentos prisionais em Portugal, adicionalmente garantir a recolha de informação que viria a ser aprofundada na segunda fase: o processo de aprendizagem e construção de saber realizado por estes educadores. Com a presente investigação foi possível compreender de que modo os professores/formadores se preparam para a lecionação no EP, um espaço com características muito específicas e com formandos também eles muito peculiares. Assim, foi-nos possível verificar que, neste processo, a experiência profissional dos professores/formadores, mesmo que obtida noutros contextos, é uma mais-valia, pese embora a experiência na educação e formação de adultos se revele mais vantajosa, uma vez que se aproxima mais da realidade que vão encontrar no EP. Além disso, os professores/formadores recorrem a outros mecanismos para ultrapassar as suas dificuldades, nomeadamente a formação, mesmo que não verse especificamente sobre este tipo de ensino, bem como a pesquisas individuais. O trabalho cooperativo com os seus pares também se revela deveras importante na medida em que possibilita o diálogo e a partilha de experiências, o que também lhes permite refletir sobre as suas próprias práticas, sempre numa perspetiva de melhorar a qualidade de ensino ministrada. Os professores/formadores que exercem funções na EnP têm experiência profissional, nos ensinos básico e secundário, há mais de vinte anos. A maioria pertence ao quadro de agrupamento/escola e a média de idades situa-se acima dos quarenta anos, sendo que, na sua grande maioria, encontram-se ao serviço da Educação nas Prisões, há cinco ou menos anos.
Adult education and training has been gaining importance in today's society. Initially it developed, as we understand it today, within social movements and in the consolidation of education systems in different countries. With this study we intend to reflect, essentially, on the adult education and training that takes place in Portuguese prisons and, more specifically, on the teachers/trainers who provide training there, trying to understand how they learn and build and develop their professional knowledge and skills, which allow them to perform their function in such a specific place of education. The focus of this research in such a learning process and knowledge construction is justified by the fact that there is no specific training for teachers/trainers who teach in prisons and also by the scarcity of scientific studies in this area, so we believe that its results contribute to the advancement of knowledge in this field. To develop this research we used a mixed methodology. In a first phase, through a quantitative methodology, we conducted questionnaire surveys to teachers/trainers who work in education in prisons on the mainland and islands. In a second phase, through a qualitative methodology, we conducted semi-structured interviews to a group of teachers/trainers who teach in a prison establishment in the northern interior of Portugal. In the first phase we intended, above all, to carry out a characterization of those who perform the function of teachers/trainers in prisons in Portugal, additionally ensuring the collection of information that would be deepened in the second phase: the learning process and construction of knowledge carried out by these educators. With this research it was possible to understand how teachers/trainers prepare themselves for teaching in prison, a place with very specific characteristics and with very peculiar students. Thus, it was possible to verify that, in this process, the professional experience of the teachers/trainers, even if obtained in other contexts, is an added value, although the experience in adult education and training proves to be more advantageous, since it is closer to the reality that they will find in the prison. In addition, teachers/trainers use other mechanisms to overcome their difficulties, such as training, even if not specifically for this type of education, and individual research. Cooperative work with their peers is also very important as it enables dialogue and the sharing of experiences, which also allows them to reflect on their own practices, always with a view to improving the quality of the teaching provided. The teachers/trainers who work in Education in Prisons have professional experience in elementary and secondary education for more than twenty years. Most of them belong to the grouping/school board and the average age is above forty years, and most of them have been working in Education in Prisons for five years or less.
Descrição
Palavras-chave
Educação de adultos , educação nas prisões
Citação